Apontamentos para a
história de Viseu

Apresentação

 

Tendo nascido em Viseu, durante alguns dos anos em que aí residi dediquei-me ao estudo da história da cidade numa perspectiva de amador, estudo esse que continuou mesmo depois de ter saído da região, em finais de 1980.

Iniciei essa actividade de forma mais profunda a partir do ingresso, em 1978, no Centro Juvenil de Arqueologia e Etnologia, então dirigido por Alberto Correia. O interesse na arqueologia gradualmente estendeu-se a outras áreas da história, as quais, por condicionalismos vários, vieram a ser dominantes.

Um dos resultados desse interesse e actividade foi a publicação de cerca de uma centena de artigos, entre 1978 e 1988, grande número dos quais nas páginas de jornais da cidade — muito especialmente no semanário A Voz das Beiras, cujas portas me foram franquedas por Álvaro de Menezes. Na maior parte dos casos, portanto, são textos de difícil acesso.

Não obstante o tempo decorrido, a natureza dos artigos — inerente ao local de publicação —, e as várias deficiências que apresentam, quer de forma quer de conteúdo, parece-me que ainda hoje podem ter certa utilidade, seja por alguma informação inédita ou pouco conhecida que apresentam, seja por pistas que possam interessar a outros.

Esta é a razão de apresentar esses textos aqui e do título que escolhi para esta página.

No essencial, os textos são apresentados tal como foram publicados, não tendo sido realizada qualquer revisão dos mesmos. Além da interligação estabelecida, proporcionada pelo meio agora utilizado, foram somente corrigidas as gralhas detectadas. Em contrapartida, é possível que tenham sido introduzidas outras devido ao processo de digitalização a que todos foram submetidos (reconhecimento óptico de caracteres).

Os artigos que, devido às limitações de espaço dos jornais ou revistas, foram divididos por vários números dessas publicações — divisão essa que em muitos casos não foi da minha responsabilidade —, surgem aqui sem interrupções, tal como foram concebidos.

Os textos poderão ser livremente utilizados desde que devidamente referenciados: para isso deverá ser indicada a referência bibliográfica original (que surge no final de cada texto) bem como o endereço desta página (http://viseu.no.sapo.pt).

A digitalização será feita sem qualquer plano pré-concebido, à medida das minhas disponibilidades. No entanto, poderá ser influenciada pelos comentários ou sugestões recebidos — os quais antecipadamente agradeço.

Como nota final, refiro que a inexistência de publicações minhas sobre Viseu após 1988 está relacionada, entre outras coisas, com outras actividades que entretanto vim a desenvolver — relatadas numa página que mantenho no endereço http://ciarte.no.sapo.pt.

7 de Setembro de 1999

 

PS. As tais outras actividades atrás referidas fizeram com que, afinal, a página não tenha tido qualquer actualização durante mais de dez anos. Entretanto não só me parece que as razões iniciais continuam válidas como a página continua a ser consultada e, por isso, passado este tempo, pareceu-me indispensável renovar o aspecto gráfico — que actualmente me parecia demasiado tosco mesmo tendo em conta a sua idade. Esta ideia no entanto foi rapidamente ultrapassada e, além de fazer a tal actualização gráfica, acabei por completar a lista bibliográfica e colocar online muitos mais textos, especialmente os de mais difícil acesso. Assim tudo o que publiquei no semanário visiense A Voz das Beiras, inclusivamente alguns raros artigos de temática não visiense, fica agora disponível. Além disso, todos os textos, quer os já existentes, quer os acrescentados agora, são apresentados também em formato pdf (mais adequado para referência e arquivo), além do formato html (mais adequado para leitura em meio digital). Espero em breve colocar online os restantes textos, inclusivamente alguns nunca antes publicados (que já constam da lista bibliográfica).

Além dos textos, mantenho as imagens antigas sobre Viseu que digitalizei de diversos locais, não incluindo no entanto os retratos. Porém, separei completamente os textos e as imagens, salvo nos casos em que estas eram parte integrante da publicação original. Entretanto encontrei mais algumas fotografias antigas interessantes na internet, mas em vez de as copiar para aqui elaborei uma lista de endereços onde se podem ver.

Finalmente, acrescentei uma lista de alguns livros antigos, relevantes para o conhecimento da história de Viseu, livremente disponíveis na internet, alguns dos quis muitas vezes citados nos meus textos.

3 de Janeiro de 2011